Ai, a dívida!

“Há quem continue a reagir “à patada” aos alertas vindos do exterior sobre os riscos que continuam a pesar sobre a nossa dívida pública, por causa do seu nivel muito alto (…) e do elevado spread de juros em relação aos das dívidas mais seguras.
Mas os números não enganam. Passada a “crise das dívidas soberanas”, Portugal continua com a 3ª maior dívida (depois da Grécia e da Itália) e o 3º spread mais elevado (só superado pela Grécia e por Chipre). É evidente que, depois da crise, os mercados (e as agências de rating) passaram a diferenciar as dívidas soberanas pelo seu grau de risco.”

Por isso, em vez de puxar da pistola contra quem faz avisos, seria melhor trabalhar consistentemente para prosseguir a consolidação orçamental, baixar significativamente o rácio da dívida pública e melhorar o seu rating, aproveitando tanto a evolução favorável da economia no plano nacional e ao nivel europeu como a preciosa ajuda da política monetária expansionista do BCE e do seu programa de compra de dívida pública (que não dura sempre).
Se, em vez disso, aproveitarmos a “folga” para fazer mais despesa pública à conta de mais dívida – como alguns defendem -, não saímos da zona de risco. Nem nos livramos das advertências externas!”

Vital Moreira, Causa Nossa, 17 Março 2017